Uma nova pesquisa, analisando mais de 270.000 genomas, sugere que indivíduos geneticamente predispostos a terem filhos em idade mais jovem são mais propensos a ter uma vida mais curta, não ultrapassando os 76 anos. O estudo, conduzido por Jianzhi Zhang, da Universidade de Michigan, e Erping Long, da Academia Chinesa de Ciências Médicas em Pequim, fornece evidências convincentes para o conceito de pleiotropia antagónica – mutações genéticas benéficas para a reprodução, mas potencialmente prejudiciais à longevidade.

Por que envelhecemos permanece um dos maiores mistérios evolutivos. O processo de selecção natural poderia sugerir que as pessoas deveriam passar adiante genes que são vantajosos para viver mais, tendo assim mais tempo para se reproduzir, mas não há evidências que apoiem essa teoria. Uma das principais explicações para isso é que as mutações genéticas que favorecem a reprodução mais cedo na vida também podem resultar em uma vida mais curta – uma ideia chamada pleiotropia antagónica.

“É porque a selecção natural se preocupa principalmente com a reprodução”, diz Jianzhi Zhang. “Então, mutações que são benéficas para a reprodução, mas podem ser prejudiciais depois, ainda seriam seleccionadas.”

Depois de conduzir o maior estudo sobre a ligação genética entre reprodução e longevidade até o momento, Zhang e Long encontraram evidências mais convincentes para a pleiotropia antagónica. A análise envolveu genomas de 276.406 pessoas no Biobank do Reino Unido, um estudo de saúde a longo prazo. Todos os participantes escolhidos nasceram entre 1940 e 1969 e eram de ascendência europeia.

Para cada pessoa, os pesquisadores calcularam uma pontuação poligênica, uma avaliação de uma combinação de variantes genéticas relacionadas a uma melhor saúde reprodutiva no início da vida. Quanto maior a pontuação de alguém, maior a probabilidade de ser fértil por mais tempo.

Ao comparar as pontuações poligênicas aos dados de expectativa de vida, os pesquisadores descobriram que pessoas com pontuações poligênicas mais altas para saúde reprodutiva tinham uma probabilidade menor de viver até os 76 anos. Não houve motivo específico para usar essa idade como referência, afirma Zhang.

Aqueles nascidos mais cedo também tendiam a ter uma pontuação poligênica mais baixa do que aqueles nascidos mais perto de 1969, sugerindo que características que aprimoram a reprodução ainda estão sendo seleccionadas, apesar do impacto na longevidade.

“Nossas descobertas apoiam fortemente a hipótese de pleiotropia antagónica”, diz Zhang. Um mecanismo potencial é que algumas variantes genéticas que aprimoram atributos reprodutivos podem resultar em doenças mais tarde na vida. Uma dessas variantes chamada rs12203592, por exemplo, está associada a alguns tipos de câncer.

A equipe espera agora colectar mais dados de populações mais diversas para ver se essa tendência se mantém. “Se nossos resultados se aplicam a pessoas africanas ou asiáticas, ainda não sabemos, mas acredito que podemos esperar ver esse padrão.”

É importante observar que factores externos, incluindo avanços médicos, têm levado as pessoas a viver mais e a ter menos filhos em média. “Essas mudanças têm sido extremamente impactantes, a ponto de as mudanças genéticas serem mínimas em comparação com os factores ambientais”, diz Zhang.

“Primeira evidência forte de pleiotropia antagónica em humanos, apoiando um pilar importante da teoria evolutiva do envelhecimento”, diz Steven Austad, da Universidade do Alabama em Birmingham. “Anteriormente, havia abundantes evidências em animais de laboratório, mas estender para humanos é importante para reconhecer a generalidade da pleiotropia antagónica.”

Além disso, é crucial ressaltar que a pesquisa destaca uma complexa interação entre factores genéticos e ambientais na determinação da longevidade. Embora a predisposição genética para a reprodução precoce esteja associada a uma vida mais curta, outros elementos, como avanços na medicina e mudanças nos padrões de vida, desempenham papéis significativos na ampliação da expectativa de vida. A compreensão dessas dinâmicas intricadas é essencial para uma visão abrangente sobre os determinantes da longevidade humana, oferecendo insights valiosos para pesquisas futuras e para a formulação de políticas de saúde direcionadas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here