A luta global contra o VIH está em risco

Neste mês, a prestigiada revista Science apresentou um editorial que lança luz sobre a incerteza em torno do futuro do Plano de Emergência do Presidente para o Alívio da SIDA (PEPFAR) dos Estados Unidos, um programa de saúde histórico que tem salvado mais de 25 milhões de vidas em todo o mundo ao longo de duas décadas.

0
291
A luta global contra o VIH está em risco
A luta global contra o VIH está em risco

O editorial destaca a importância do PEPFAR, que foi lançado em 2003 pelo então Presidente George W. Bush, comprometendo bilhões de dólares para combater a devastadora epidemia do VIH/SIDA em países em desenvolvimento. O programa tem sido um exemplo brilhante de colaboração global para combater uma ameaça existencial, principalmente para os países africanos que enfrentaram a epidemia sem acesso a terapia anti-retroviral ou ferramentas de prevenção eficazes.

No entanto, até Setembro deste ano, o Congresso dos Estados Unidos não havia autorizado uma nova reautorização do PEPFAR, o que coloca em risco a continuação desse programa vital. A administração Biden, líderes políticos de ambos os lados do espectro e até mesmo o ex-presidente Bush instaram o Congresso a apoiar a renovação do PEPFAR para continuar a luta contra o VIH/SIDA.

O editorial da Science enfatiza as realizações notáveis do PEPFAR, que, desde seu início, aumentou o acesso ao tratamento do VIH na África Subsariana de apenas 50.000 pessoas para mais de 20 milhões. Além disso, o programa teve um impacto transformador na saúde global, trabalhando com governos, organizações globais e grupos da sociedade civil para equipar laboratórios, estabelecer sistemas de vigilância e formar profissionais de saúde em todo o mundo.

Apesar de seu sucesso, o trabalho do PEPFAR ainda não está concluído, com milhões de novas infecções por VIH e mortes relacionadas com o VIH relatadas em 2022. Populações estigmatizadas e em risco, como homens que fazem sexo com homens, pessoas trans, pessoas que injectam drogas e profissionais do sexo, continuam enfrentando desafios no acesso aos serviços de prevenção e tratamento do VIH.

No entanto, o editorial também destaca as preocupações que ameaçam a reautorização do PEPFAR. Algumas vozes conservadoras alegam que os fundos do PEPFAR apoiam o acesso ao aborto, uma afirmação negada repetidamente por funcionários do programa e líderes da saúde pública. Outras preocupações questionam a linguagem do PEPFAR em relação a grupos em risco de contrair o VIH, questões que nunca foram um problema nas reautorizações anteriores.

O editorial da Science conclui instando cientistas, especialistas em saúde, líderes globais da saúde e defensores a esclarecer o que o PEPFAR faz e o que não faz, uma vez que a vida de milhões está em jogo. É essencial que o Congresso tome acções para garantir a continuação desse programa histórico e vital.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here