Victória de Putin pode isolar mais cientistas russos

0
120
Victória de Putin pode isolar mais cientistas russos
Victória de Putin pode isolar mais cientistas russos

Vladimir Putin assegurou seu quinto mandato como presidente, após conquistar uma Victoria esmagadora nas eleições presidenciais do país em 18 de Março. Autoridades eleitorais afirmam que ele obteve um recorde de 87% dos votos. Esse resultado não surpreendeu ninguém, e muitos líderes internacionais condenaram a votação por não ser livre nem justa.

Pesquisadores entrevistados pela Nature afirmam que mais seis anos de liderança de Putin não são promissores para a ciência russa, que tem sido evitada globalmente em resposta à invasão contínua da Ucrânia pelo país, e está em terreno instável em casa. Aqueles ainda na Rússia devem escolher suas palavras cuidadosamente: como um cientista, que deseja permanecer anónimo, colocou, “a rotina agora inclui possíveis prisões por comentários impensados”.

A guerra da Rússia na Ucrânia força projectos climáticos no Árctico a se adaptarem

Publicamente, o governo de Putin é um grande apoiador da pesquisa. No início de Fevereiro, em uma celebração do 300º aniversário da Academia de Ciências da Rússia, Putin fortaleceu o papel da academia, revertendo efectivamente partes de uma reforma abrangente que limitava sua autonomia, que ele supervisionou em seu terceiro mandato. E no final do mês passado, ele assinou uma actualização da estratégia nacional de ciência e tecnologia para 2030, que pede o dobro do financiamento para pesquisa e desenvolvimento, totalizando 2% do produto interno bruto, e destaca um papel aumentado para a ciência aplicada diante da “pressão das sanções”.

Apesar de terem sido feitos antes das eleições, esses grandes anúncios não foram enquadrados como promessas de campanha, mas sim como directrizes de cima para baixo, diz Irina Dezhina, economista do Instituto Gaidar de Política Económica em Moscou.

“O facto de ter sido iniciado naquela época implica que ninguém realmente esperava mudanças no comando.”

Cenário fragmentado
Embora o apoio interno à ciência russa, que continua sendo em grande parte financiada pelo Estado, pareça forte, muitas colaborações com países do Ocidente se desfizeram desde a invasão da Ucrânia, levando a uma mudança para novos parceiros na Índia e na China.

Após intensas discussões internas, o CERN, o poderoso centro de física de partículas europeu perto de Genebra, na Suíça, votou em Dezembro de 2023 para encerrar os laços com instituições de pesquisa russas assim que o acordo actual expirar em Novembro deste ano. E a guerra interrompeu severamente a ciência no Árctico, onde a Rússia controla cerca de metade de uma região particularmente vulnerável às mudanças climáticas. Um estudo este ano deu uma ideia de como projectos colaborativos poderiam ser afectados pela perda de dados russos: excluir estações russas da Rede Internacional de Pesquisa e Monitoramento Terrestre no Árctico causa mudanças nos resultados do projecto que são, em alguns casos, tão grandes quanto o impacto total esperado do aquecimento até 2100.

Relatos também sugerem que a opressão política de Putin combinada com a ameaça de convocação militar levaram a uma “fuga de cérebros” entre os cientistas. Obter uma contagem precisa é desafiador, mas uma estimativa de Janeiro pelo jornal independente baseado na Letónia Novaya Gazeta Europe, com base nos identificadores ORCID dos pesquisadores, diz que pelo menos 2.500 pesquisadores deixaram a Rússia desde Fevereiro de 2022.

Os países mantendo laços de pesquisa com a Rússia apesar da Ucrânia

Os pesquisadores que permaneceram na Rússia tiveram que lidar com sérias interrupções nas cadeias de suprimentos, bem como riscos pessoais. E as sanções internacionais à Rússia podem ter afectado até mesmo os cientistas mais produtivos: de acordo com um artigo de Janeiro de 2024 co-autorado por Dezhina, que pesquisou alguns dos pesquisadores russos mais publicados e citados, três em cada quatro deles relatam pelo menos algumas consequências das sanções, principalmente económicas.

O isolamento da Rússia afectou particularmente as ciências médicas, pois isso significa que os ensaios clínicos internacionais não são mais realizados lá, diz Vasily Vlassov, pesquisador de políticas de saúde na Universidade de Economia Superior de Moscou. Ele teme que ser cortado da comunidade global vai erodir a expertise da Rússia nesse campo rápido e tecnicamente complexo: “É um problema que ainda não apreciamos totalmente”.

Os pesquisadores nas ciências sociais e humanidades são menos dependentes de parceiros no exterior, mas são afectados por uma ideologia cada vez mais nacionalista, diz um pesquisador russo que pediu para permanecer anónimo. Ao revisar artigos para publicação em revistas russas, o pesquisador diz que está vendo um número crescente de envios culpando problemas na pesquisa e no ensino superior pelo “colectivo Ocidente”, um termo propagandista comum. “Está em todos os lugares, e está envenenando as mentes.”

Futuro incerto
O resultado das eleições serve como um lembrete da guerra em curso e do ambiente abertamente totalitário na Rússia, diz Alexander Kabanov, director executivo da Associação de Ciências Russo-Americana, uma organização sem fins lucrativos sediada nos EUA. “Ainda estamos lidando com um desastre em andamento”, diz ele.

No entanto, os impactos das sanções à ciência russa estão começando a desaparecer da consciência pública em outros países. Pierre-Bruno Ruffini, que estuda diplomacia científica na Universidade de Le Havre-Normandia, em Le Havre, França, diz que as sanções académicas e suas consequências “desapareceram rapidamente e completamente” das discussões na comunidade de pesquisa francesa. Dezhina concorda e acrescenta que,

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here