China promete mais dinheiro para ciência em 2024

Segundo um relatório preliminar do orçamento do Ministério das Finanças da China, o governo aumentará seus gastos em ciência e tecnologia este ano, apesar do lento crescimento económico do país.

De acordo com o relatório, apresentado durante a reunião anual do principal órgão legislativo do país, o Congresso Nacional do Povo, o governo destinará 371 bilhões de yuanes (US$ 52 bilhões) para ciência e tecnologia em 2024 – um aumento de 10% em relação ao ano anterior. Desse montante, 98 bilhões de yuanes serão destinados à pesquisa básica, representando um aumento de 13% em relação ao ano anterior.

“O governo está a mostrar o seu compromisso em fornecer mais recursos aos cientistas para apoiar suas pesquisas”, disse Albert Hu, economista da China Europe International Business School, em Xangai.

Segundo Jing Qian, chefe do Centro de Análise da China no Asia Society Policy Institute, em Nova York, esse aumento nos gastos do governo com ciência e tecnologia é o maior em cinco anos. Após uma queda de 9% em 2020, seguida por dois anos de crescimento estagnado, o governo aumentou seus gastos em 2% no ano passado.

Esse impulso mais recente demonstra o “compromisso genuíno do governo com suas prioridades”, disse Qian. A China tem elevado a ciência na agenda nacional nos últimos anos. O primeiro-ministro do Conselho de Estado, Li Qiang, reiterou esse compromisso no relatório do congresso apresentado na sessão de abertura em 5 de março. “Avançaremos mais rapidamente para impulsionar a autossuficiência e a força em ciência e tecnologia”, afirma o relatório.

O aumento no financiamento para a ciência ocorre em meio a dificuldades económicas para atingir as metas de crescimento. “A China está no meio de uma transição estrutural”, disse Hu. O país está migrando de uma economia baseada em setores estabelecidos há muito tempo, como o imobiliário, para uma maior ênfase no desenvolvimento de alta tecnologia, acrescentou.

Outro factor motivador é a corrida pela supremacia tecnológica com os Estados Unidos, afirmam os pesquisadores. Os Estados Unidos têm restringido a China de acessar tecnologias-chave em áreas como inteligência artificial, semicondutores e computação quântica. Isso levou o país a investir na autossuficiência tecnológica, disse Marina Zhang, que estuda inovação com foco na China na University of Technology Sydney, na Austrália. “Para vencer este jogo, a China precisa investir em ciência e tecnologia, especialmente em pesquisa básica”, disse Zhang.

Embora os gastos aumentados “representem um maior compromisso do governo com ciência e tecnologia”, ainda é apenas uma pequena fração do total dos gastos de pesquisa e desenvolvimento do país, disse Hu. De acordo com números oficiais, os gastos do governo representam cerca de 11% dos 3,3 trilhões de yuanes gastos com P&D na China. Os gastos com P&D acctualmente representam cerca de 2,6% do produto interno bruto total da China; o número correspondente nos Estados Unidos em 2020 foi de 3,6%.

A sessão do congresso termina em 11 de março e será seguida por uma reunião do principal órgão consultivo político da China, a Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, na próxima semana.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

spot_imgspot_img
spot_img

Hot Topics

Related Articles

Ir para a barra de ferramentas