Da escuridão imaculada de sua localização na zona rural de Alberta, Canadá, o astro fotógrafo Alan Dyer capturou imagens impressionantes de um raro brilho no céu chamado STEVE. Este fenómeno, conhecido como Strong Thermal Emission Velocity Enhancement (Melhoria Forte da Velocidade de Emissão Térmica), tem desconcertado os cientistas devido à sua física complexa e características peculiares.

STEVE, inicialmente apresentado pelos caçadores de auroras em 2016, não se encaixa no perfil típico das auroras, pois sua coloração é roxa e pode ser observado mais próximo ao equador do que as luzes do norte e do sul. Desde então, cientistas cidadãos têm fornecido imagens de STEVE, levantando mais perguntas do que respostas.

Recentemente, o astro-fotógrafo Alan Dyer gravou um vídeo de alta resolução de STEVE, revelando detalhes nunca antes vistos. Toshi Nishimura, físico espacial da Universidade de Boston, ao analisar o vídeo, ficou perplexo com as características detalhadas do STEVE, que não se alinham completamente com as teorias existentes sobre a química atmosférica por trás desse brilho.

“Nunca vimos isso antes”, exclamou Nishimura, destacando a complexidade do fenómeno. A estrutura em pequena escala capturada no vídeo adicionou uma nova camada de desafio para os cientistas na compreensão da origem e comportamento do STEVE.

A pesquisa apresentada na recente reunião da União Geofísica Americana revelou também observações intrigantes sobre outro brilho do céu que pode se transformar em STEVE. A equipe de Nishimura compartilhou uma visão em alta resolução do STEVE, e outros pesquisadores discutiram a possibilidade de observar padrões semelhantes em um fenómeno chamado arco vermelho auroral estável (SAR).

Claire Gasque, física espacial da Universidade da Califórnia, Berkeley, descreveu o STEVE e o SAR como “sem dúvida o maior mistério da física espacial no momento”. A busca por respostas continua, impulsionada por observações que sugerem uma ligação entre esses fenómenos e o movimento de plasma na atmosfera terrestre.

Enquanto os cientistas enfrentam desafios para compreender a física única por trás do STEVE, a comunidade científica está considerando missões futuras, incluindo o lançamento de foguetes para estudar as moléculas responsáveis pelo brilho roxo.

Os mistérios envolvendo o STEVE, e seu companheiro, a cerca de estacas, continuam a inspirar a comunidade científica a buscar uma compreensão mais profunda desses espectáculos celestes. O fenómeno, muitas vezes capturado por cientistas cidadãos, reforça a ideia de que a contribuição de amadores pode ser fundamental para resolver enigmas científicos que desafiam até mesmo os especialistas.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here