Por Que Nos Esquecemos ?

Já te aconteceu trancar a porta de casa pela enésima vez na semana, apenas para entrar em pânico minutos depois, enquanto conduzes para o trabalho, tentando lembrar se realmente trancaste a porta? Se sim, saibas que não estás só. Um novo estudo realizado por psicólogos da Universidade Rice, nos Estados Unidos, lança luz sobre por que certas experiências são melhor lembradas pela maioria das pessoas, enquanto outras são facilmente esquecidas.

 

A pesquisa, publicada na revista Neurobiology of Learning and Memory, foi conduzida pelos pesquisadores Fernanda Morales-Calva, estudante de pós-graduação da Rice, e Stephanie Leal, professora assistente de ciências psicológicas. Seu objetivo era entender melhor como funciona a memória humana e por que lembramos de certos aspectos de uma experiência mais do que outros.

 

“O esforço para lembrar é uma daquelas coisas que todos nós experimentamos”, disse Morales-Calva. “Mas quando se trata de entender a memória, há muito a ser descoberto sobre como ela realmente funciona. E existe uma nova área de pesquisa sobre memória que está tentando entender por que lembramos de certas coisas melhor do que outras.”

 

Os pesquisadores observaram que enquanto eventos emocionalmente carregados ou únicos são inicialmente memoráveis, até mesmo esses podem desaparecer dentro de 24 horas, especialmente as experiências positivas. Isso sugere que nossos cérebros priorizam e até esquecem informações para gerenciar a carga cognitiva.

 

Durante o estudo, os participantes foram apresentados a imagens e, em um teste de memória, algumas dessas imagens foram repetidas, outras eram novas, enquanto outras eram muito semelhantes e difíceis de distinguir umas das outras. As imagens mais memoráveis foram identificadas como aquelas que os participantes mais provavelmente lembrariam.

 

Morales-Calva e Leal descobriram que, embora os participantes lembrassem corretamente das imagens mais memoráveis, esse efeito se perdia após 24 horas. Isso era especialmente verdadeiro ao lembrar de experiências positivas, sugerindo que essas experiências são memoráveis no início, mas mais propensas a serem esquecidas.

 

“Enquanto sentimos que sabemos que tipos de experiências são memoráveis, na verdade não sabemos quais características de uma memória são lembradas melhor a longo prazo”, explicou Morales-Calva. “Muitas vezes pensamos que as memórias emocionais são melhor lembradas, mas na verdade existem trocas entre a essência e os detalhes, onde os recursos centrais da memória são aprimorados enquanto os detalhes podem ser esquecidos.”

 

Os pesquisadores enfatizam que nossos cérebros não podem lembrar de tudo o que experimentamos, então é necessário um pouco de esquecimento seletivo para informações menos importantes.

 

“Esse estudo nos ajuda a entender por que lembramos o que lembramos”, disse Leal. “Nossos cérebros não podem possivelmente lembrar de tudo o que experimentamos, então precisamos fazer um pouco de esquecimento seletivo para informações que não são tão importantes.”

 

Morales-Calva e Leal esperam que suas descobertas ofereçam novas perspectivas sobre como a memória funciona e por que algumas coisas são memoráveis enquanto outras não o são. Eles esperam que estudos futuros considerem a complexidade da memória na vida cotidiana, incluindo o conteúdo emocional, o tempo que passou desde a experiência e as características perceptuais da memória que podem ter impactos significativos sobre o que lembramos.

Este estudo lança uma nova luz sobre o funcionamento intricado da memória humana e pode ajudar a desenvolver novas estratégias para melhorar a retenção de informações importantes em nossas vidas quotidianas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Discover

Sponsor

spot_imgspot_img

Latest

o

https://youtube.com/@cienciatvangola?si=PM_MVWCrAQr9V-

Elementos extremos ultrapassam os limites da tabela periódica

A rara substância radioactiva viajou dos Estados Unidos para a Rússia em um voo comercial em Junho de 2009. Os funcionários da alfândega se recusaram...

DNA: Nova Geração de Editores Genéticos Rumo a Ensaios Clínicos

DNA- Após a  aprovação da primeira terapia de edição genética CRISPR-Cas9, uma nova era de tratamentos mais eficientes e precisos está prestes a ser...

Os Avanços Tecnológicos Mais Inesperados da Década

Ao longo da última década, fomos testemunhas de uma verdadeira revolução tecnológica que transformou radicalmente a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos com...

Comunicação da Ciência na Imprensa Angolana:

A comunicação da ciência na imprensa angolana é uma questão relevante e que tem sido objecto de investigação. O artigo de autoria de Anil...
Ir para a barra de ferramentas