Início Investigação Welwítschia: segredos genéticos da planta que pode viver por milênios

Welwítschia: segredos genéticos da planta que pode viver por milênios

60
0

Welwítschia, uma das plantas mais antigas do planeta, pode viver por milênios e tem apenas duas folhas que estão constantemente se alongando.

Uma equipe de pesquisadores publicou um novo estudo no qual explicam alguns dos segredos genéticos de uma das plantas mais fantásticas do planeta.
As análises publicadas na revista Nature Communications, mostram detalhes nunca antes revelados da Welwítschia, icônico arbusto que cresce no árido Deserto do Namibe, uma importante extensão de areia que se estende ao longo da costa da Namíbia e Angola.
A Welwítschia, cujo significado do nome na língua africâner (tweeblaarkanniedood) significa “duas folhas que não podem morrer”, tem apenas duas folhas que estão constantemente se alongando em uma vida que pode durar milênios.
“Esta planta pode viver milhares de anos e nunca parar de crescer. Quando para de crescer, está morta”, disse Andrew Leitch, geneticista botânico da Queen Mary University of London e um dos autores do estudo, em declarações ao The New York Times.
Na verdade, os especialistas acreditam que alguns dos maiores exemplares vivos atualmente desta planta podem ter mais de 3.000 anos.
A equipe de pesquisadores analisou o genoma para entender sua forma única, extrema longevidade e profunda resiliência aos desafios de temperatura e seca extrema do deserto.
“Há 86 milhões de anos, durante um período de maior aridez e seca prolongada na região (e possivelmente na formação do próprio Deserto de Namibe), o genoma completo da Welwítschia dobrou após um erro na divisão celular”, disse o botânico Tao Wan, da China.
O especialista detalhou que o “estresse extremo” costuma estar associado a esses eventos de multiplicação. No entanto, ter mais material genético tem um custo. “A atividade mais básica para a vida é a replicação do DNA, então se você tem um genoma grande, é muito importante sustentar a vida, especialmente em um ambiente tão hostil”, disse Wan.
Por outro lado, uma grande parte do genoma da Welwítschia são sequências de “lixo” de DNA autorreplicantes que experimentaram uma “explosão de atividade há 1 milhão ou 2 milhões de anos, provavelmente devido ao aumento da temperatura”, completou.
E para contrabalançar essa situação, o genoma da planta passou por mudanças epigenéticas generalizadas que silenciaram o “DNA lixo” por meio de um processo biológico pelo qual grupos de pequenas moléculas são adicionados à molécula de DNA.
Conforme detalhado pelo botânico Wan, esse processo, junto com outras forças seletivas, reduziu drasticamente o tamanho e a manutenção de energia da biblioteca de DNA duplicado da Welwítschia, dando-lhe “um genoma muito eficiente e de baixo custo”.
Um grande número de cópias ou aumento da atividade de alguns genes envolvidos no metabolismo, crescimento celular e resistência podem ajudá-la a continuar a crescer sob estresse ambiental extremo.
“Desta forma, as lições genéticas da Welwítschia podem ajudar os humanos a produzir safras mais resistentes e com menos água em um contexto de aquecimento global”, concluiu Wan.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui