Cadáveres humanos continuam a se movimentar até um ano após a morte, segundo um estudo polémico publicado recentemente e que se tornou viral nas redes sociais e portais do mundo todo.

Segundo os cientistas do Instituto Instalação Australiana para a Pesquisa Tafonômicas Esperimentais(AFTER), ” Os cadáveres conseguem realizar movimentos, mesmo após meses. Isso é importante, particularmente, para ajudar peritos em investigações de crimes. Durante o processo de decomposição, os corpos realizam significativamente movimentos por até 1 ano”.

O estudo foi realizado em um grande laboratório a céu aberto, apelidado de “fazenda de cadáveres”, em Sidney, na Austrália.

Trata-se de um laboratório de tafonomia. Esta área da ciência estuda tudo o que ocorre com um corpo após a morte.

Segundo o Instituto Instalação Australiana para Pesquisas Tafonômicas Experimentais (AFTER), a pesquisa levou 17 meses. Várias câmeras foram instaladas, monitorando cadáveres 24 horas.

Os cadáveres ficam em campo aberto, numa área isolada e controlada, vários corpos ficam ao ar livre, para que estudos possam mostrar com veracidade o que ocorre com um corpo quando morre em ambiente natural, especialmente em crimes.

Novas descobertas usando cadáveres
Um dos cientistas do estudo, Alyson Wilson, deu uma entrevista para a ABC News e comentou sobre um dos exemplos mais notáveis:

“Um dos braços de um cadáver estava, inicialmente, abaixo do corpo, mas em alguns meses ele acabou indo parar ao lado do corpo, saindo completamente da posição”.

Até o momento, os cientistas acreditam que essas novas informações podem ser absolutamente úteis. Em cenas de crimes, acredita-se que a posição do corpo pode contar como se deu o assassinato. Talvez, agora as interpretações mudem, já que os corpos conseguem ter movimentos maiores do que era esperado.

Maiken Ueland, vice-director da AFTER, comentou também que uma descoberta impressionante foi feita ao observar que os cadáveres podem entrar em processo de mumificação em qualquer época do ano, desde que existam condições favoráveis.

Em síntese, este processo de mumificação pode durar até 3 anos. Este novo dado sugere que as investigações precisam ser adaptadas para não seguirem por interpretações equivocadas.

Instalações como esta são muito úteis para a ciência. O local é usado também para treinar cães, com corpos em estágio inicial de decomposição. Isso visa ajudá-los a encontrar possíveis corpos perdidos após crimes no meio de florestas e locais afastados.

Fonte: New York Post / The Sun Fotos: Reprodução / Unilad

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui